O que está mudando nos processos de estágio e trainee?

O que está mudando nos processos de estágio e trainee?

Que a forma de fazer recrutamento e seleção está mudando, não é novidade, mas como essas mudanças estão acontecendo? Neste conteúdo você vai entender como está a transformação dos processos de estágio e trainee atualmente.

Bom, a primeira resposta para essa pergunta é: uma nova geração chegou ao mercado de trabalho. Alguns processos ficaram obsoletos e já não identificam todas as características necessárias para garantir a performance de em um estudante/profissional na entrada do mercado de trabalho.

O que está mudando nos processos de estágio e trainee?

A tecnologia como aliada

A primeira mudança nos processos de estágio e trainee foi a forma como os currículos são recebidos. Algo que antes era um processo que envolvia muita papelada, hoje é feito majoritariamente online, em uma plataforma própria para isso, conhecidas pela sigla ATS (Applicant Tracking System). Nela é possível encontrar além do currículo, alguns detalhes sobre a empresa e o processo, como datas importantes.

Além disso, para as empresas também funcionou para elaboração de algumas etapas online, em que podemos citar algumas provas e até dinâmicas, além do vídeo de apresentação que está sendo cada vez mais solicitado.

Vivência e experiência

Essas são as palavras-chave do momento. Alguns processos de estágio e trainee são longos e demandam várias horas de dedicação dos candidatos, e por isso cabe ao responsável tornar a vivência e experiência o mais sadia possível.

Pense que aquele candidato pode não ser o ideal para aquela oportunidade, mesmo assim ele tem um potencial muito grande. É importante extrair o melhor e o mais verdadeiro de cada profissional, porque isso pode simplificar o processo no futuro, caso um banco de dados seja utilizado.

O que é mais importante nos processos de estágio e trainee?

Um estágio ou trainee geralmente é o primeiro contato do profissional com o mercado de trabalho, por isso exigir experiências anteriores é complicado. Ao invés disso, é necessário focar em conhecimentos, habilidades e atitudes.

Experiências com algum projeto de extensão ou empresa júnior também podem ser levadas em consideração, além de formações complementares. A porcentagem de curso concluída até aquele momento pode ser um diferencial também.

Envolvimento e orientação

O processo seletivo não é só para o candidato, mas para a empresa também. O responsável, seja ele interno ou terceirizado, deve envolver e orientar a empresa cliente em todas as etapas.

Principalmente para a personalização de testes e games que devem ser aplicados de acordo com as necessidades da empresa e de cada vaga específica, para proporcionar o match ideal entre candidatos.

Cases de Sucesso

Pioneiro em Minas Gerais, o Grupo Selpe conta com mais de 50 anos de experiência e confiança de grandes empresas e negócios. Ao longo da nossa história, fomos nos atualizando de acordo com as necessidades do mercado, dos candidatos e é claro, dos nossos clientes.

Case Jeep

A Jeep tem inspiração e inovação como grandes frentes de negócio. Assim como os veículos que eles produzem, queriam trazer esses ideais para os processos seletivos de trainee e estágio.

Assim, a proposta foi fazer um processo seletivo sem provas e com vários games. A prova muitas vezes mostra o conhecimento técnico, mas não avalia nada sobre as soft skills, que é a parte mais importante na avaliação de um talento estagiário ou trainee.

Case LafargeHolcim

O grupo LafargeHolcim é líder mundial em materiais de construção, e atende desde pequenas até grandes empresas. Então, quando o Grupo Selpe fez o processo seletivo de estágio e trainee surgiu uma ideia.

Pensando na questão de experiência e vivência dos candidatos, a proposta foi oferecer um momento de união entre gestores e talentos, em um almoço oferecido pela empresa, no próprio restaurante dos funcionários, em que os líderes e futuros colaboradores puderam participar de uma conversa mais descontraída.

Metodologia de seleção invertida

Como dissemos anteriormente, o Grupo Selpe sempre busca por inovações e métodos que o mercado precisa. Uma das necessidades que detectamos foi a de um recrutamento preditivo. Mas como isso funciona?

Ao invés de selecionar talentos olhando apenas as hard skills ou conhecimentos em prova, como matemática, português ou raciocínio lógico, avaliamos também as soft skills, a partir de três relatórios para medir motivação, potencial e forma de lidar com o trabalho, além de outras habilidades.

A seleção invertida, usando a metodologia do recrutamento preditivo, é feita pelo SelpeTalent, os profissionais do Grupo Selpe especializados em processos de estágio e trainee. Saiba mais acessando o site do Talent!

Preencha o formulário para solicitar contato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *