Motivação não pode ser comprada: 3 perguntas para fazer e detectar isso

Motivação não pode ser comprada: 3 perguntas para fazer e detectar isso

 

O que sabemos sobre motivação? Ainda que o tópico vem sendo abordado por décadas, ele continua sendo um princípio geral muito abstrato, que é “inspirar as pessoas para que elas se envolvam”. Isso requer, de acordo com pesquisas tradicionais, compensação e reconhecimento a um indivíduo.

Ainda assim, analisando estudos recentes de psicologia, isso não é o que indica impactar em grande escala o comprometimento de cada indivíduo trabalhador. Os pontos chave da pesquisa sobre motivação considerados na comunidade científica são:

1. Não é possível motivar qualquer pessoa

Não a longo prazo, pelo menos. Deci e Ryan, dois pesquisadores, já obtiveram inputs consideráveis sobre motivação ao demonstrarem que humanos são “autodeterminados”, quer dizer, eles não podem se auto motivar.

Assim, eles colocam fatores aceleradores de motivação “intrínseca”, específicos a cada indivíduo, que geram um incentivo a longo prazo (necessidade de desafio, altruísmo, segurança, etc). Isso se diferencia dos motivadores “extrínsecos”, que vem de fontes externas (salário, reconhecimento, avanços, etc) e produzem efeitos a curto prazo.

Por que nós somente falamos de fatores extrínsecos quando discutimos motivação, sendo que esses fatores apenas causam um efeito superficial? Simplesmente porque esses são fatores chave dos quais nós temos controle, ainda que essa não seja a abordagem mais efetiva.

2. Identificando os fatores de motivação intrínseca

Entretanto, é bem possível identificar os fatores de motivação intrínseca das pessoas. Universalmente, Deci e Ryan destacaram 3 fatores de motivação intrínsecos. São o de “necessidade de competência” (sentir-se competente em gerenciar as atividades às quais somos encarregados), a “necessidade de autonomia” (superar as dificuldades que um indivíduo encontra e a habilidade de desenvolver soluções) e a “necessidade de apoio” (ter o suporte de colegas profissionais e receber a ajuda deles, se preciso). Essas necessidades serão expressadas de maneira diferente em cada indivíduo.

3. Motivação é importante quando se recruta

Finalmente, não é sempre necessário aproveitar toda a motivação de uma pessoa, exceto no momento do recrutamento. Esse é o melhor momento para confirmar se um candidato pode acessar sua motivação na posição que está sendo ofertada.

Nessa altura, a questão não é se o candidato é motivado. Assim, você saberá se a motivação poderá ser encontrada no contexto proposto. Para descobrir isso, precisamos perguntar as seguintes questões:

4. As três perguntas a se fazer

A motivação intrínseca falará em três níveis: a nível na vaga de emprego, a nível do trabalho em equipe (e especificamente gerenciamento) e a nível da empresa.

– Para a motivação do candidato na vaga de emprego: “Quais são as atividades que te dão mais prazer? Quais são as mais estressantes para você?

– Para a motivação do candidato na equipe: “O que você espera de um gerente? Me fale de uma pessoa que mais atende a suas expectativas? Como você materializa essas qualidades?

– Para a motivação do candidato na empresa: “Em que cenário você gostaria de trabalhar? No contrário, que cenário te incomoda?”

Agora que você já sabe um pouco mais sobre a motivação dos seus candidatos em processos seletivos, clique aqui para entender o que motiva e engaja seus funcionários e como as soluções de assessment podem te ajudar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *