Case de Sucesso: uma 1M€ de economia com Recrutamento Preditivo

Case de Sucesso: uma 1M€ de economia com Recrutamento Preditivo

Você com certeza já ouviu falar de Recrutamento Preditivo, certo? É uma tendência europeia que vem ganhando bastante espaço em solo brasileiro.  Mas, será que realmente funciona? É possível gerar economia com recrutamento preditivo?

Trouxemos um case de sucesso de uma empresa parceira que aplicou a ferramenta de Recrutamento Preditivo mais usada na Europa, o AssessFirst, em um de seus clientes.

 

Mas então, o que é essa teoria?

Em suma, a ferramenta AssessFirst conta com a análise do potencial de seus candidatos e usa o poder de algoritmos para prever a sua capacidade para ter sucesso e ser plenamente comprometido, prosperando na posição para qual você o recruta, no contexto da sua empresa.

Portanto, para esclarecer ainda mais essa teoria e o que esperar do recrutamento preditivo, vamos apresentar um caso real de um cliente verdadeiro.

Primeiro, um pouco de contexto…

A empresa que vamos falar nesse case chamamos de “Unicorn Company”, um nome fictício para preservar seu anonimato, no entanto os dados são extremamente precisos! Essa empresa atua no setor de serviços B2B, vende serviços de consultoria e tem 140 “consultores” no momento atual. Vale ressaltar que eles estão super eficientes, trabalhando em margens de 80% dos objetivos alcançados, além da diminuição da taxa de turnover para 30% ao ano.

Como foi o processo de aquisição da ferramenta?

O CEO da Unicorn Company entrou em contato com a empresa AssessFirst e marcaram uma reunião para discutir abordagens como desenvolvimento de negócios e RH, afinal, é uma consultoria.

O cliente está bastante animado, mas um pouco receoso pela nova abordagem quando lhe é apresentado o recrutamento preditivo. Nele, os candidatos deveriam passar por 3 testes de 10 minutos para conseguir prever sua capacidade de sucesso.

Já o RH teve uma visão mais nítida a primeira vista, já que possuem familiaridade com os testes. Para eles, ficou claro que o AssessFirst é uma ferramenta de apoio a decisão, como nós já falamos nesse artigo sobre algoritmos de predição.  

Lançando o projeto!

Uma vez delimitadas as etapas do processo, o primeiro passo foi definir o que é chamado de modelo preditivo. A ideia é identificar os critérios que a empresa usa para recrutar e os colaboradores super eficientes. Para isso, começam realizando um estudo interno para entender o que impulsiona o desempenho dentro das equipes.

Para conduzir esse estudo, levantaram 3 tipos de informação:

  1. Informações sobre as próprias pessoas;
  2. Informações para descrever o potencial dos consultores (que é medido com o questionário do AssessFirst);
  3. Os resultados obtidos pelos consultores avaliados nos últimos meses.

Com a ferramenta AssessFirst, são considerados que o potencial é a combinação de 3 fatores essenciais:

  • O que a pessoa pode fazer (habilidades de raciocínio);
  • O que ela pretende fazer (suas motivações);
  • Como ela se comporta (personalidade).

Finalmente, os dados!

Ao todo, 112 pessoas foram solicitadas para responder os questionários, 108 completaram o de personalidade, 103 o motivacional e 93 o de raciocínio. Mais de ¾ dos participantes completaram os 3 testes!

Depois de todas as informações coletadas, os cientistas de dados aplicaram diferentes técnicas de análise multivariada dos elementos para identificar os padrões que surgem. Assumindo que os fatores de personalidade, motivação e aptidão estão relacionados ao desempenho no trabalho, são definidas o que se quer com a “performance no trabalho”.

O uso do modelo pelo cliente do AssessFirst

A partir da identificação desses fatores e da consideração dos vínculos que eles têm com a capacidade de gerar margem nos consultores, os cientistas de dados traduziram os padrões identificados em forma de um algoritmo, que foi implementado na plataforma de avaliação AssessFirst (na conta deste cliente em particular).

O objetivo deste algoritmo foi permitir – a partir de novos dados (os resultados dos candidatos que serão aplicados no futuro) – prever sua capacidade de gerar margem em seu primeiro ano na empresa. Por isso, servirá como um filtro para fazer uma pré-seleção para contratação.

Então, muito concretamente, os recrutadores da Unicorn Company criaram uma campanha de recrutamento “Consultor Unicorn Company” na AssessFirst. Desde essa campanha, eles geraram um link de acesso público que eles integraram em suas ofertas de emprego.

Economia com Recrutamento Preditivo após 12 meses de uso

Depois de 12 meses, o que aconteceu? Porque afinal esse é o tipo de pergunta que devemos nos fazer para saber se o recrutamento preditivo funciona ou não.

Alguns números:

A Unicorn Company recebeu 1317 cadastros completos (aqueles que incluem a submissão aos 3 testes) ao longo do ano e alcançou um total de 42 recrutamentos.

Das 1317 candidaturas recebidas, 548 (ou 41,6%) estavam menos de 40% compatíveis com o modelo, 646 (49,1%) estavam na zona “neutra” (entre 40 e 60%) e 123 (ou 9,3%) estavam dentro do escopo do modelo (mais de 60%).

Produtividade dos candidatos recrutados preditivamente

Durante o período de um ano anterior ao estabelecimento do Recrutamento Preditivo na Unicorn Company, 38 pessoas foram recrutadas. 14 deles deixaram a empresa em 12 meses: 10 da iniciativa da empresa, 4 por sua própria iniciativa.

Entre as 24 pessoas que ainda estão no cargo, conseguimos recuperar – para 21 delas – as avaliações do perfil delas (elas de fato participaram do estudo para construir o modelo).

  • A proporção de contratações de consultores com desempenho superior foi multiplicada por mais de 2 (de 28,6% para 61,9%).
  • A proporção de consultores contratando baixo desempenho foi quase dividida por 3 (de 57,1% para 19,0%).
  • A proporção de contratações de consultores entregando desempenho médio está aumentando ligeiramente (de 14,3% para 19,0%)

Traduzindo para termos financeiros…

Ao comparar os resultados dos consultores recrutados convencionalmente (antes da introdução do recrutamento preditivo) e os recrutados usando a abordagem preditiva, descobrimos que a margem média entregue pelo consultor (se agregarmos aqueles que realizam pouco, médio e muito) passou de 147 mil € para 168 mil €, é um aumento de 14,3% (+ 21 mil €/ consultor).

Se a Unicorn Company tivesse recrutado de acordo com o método convencional (pré-seleção em CV + entrevista), teria recrutado 42 consultores, gerando 147 mil € cada (mais ou menos como nos anos anteriores) para uma margem gerada total de 617 mil €.

A implementação do recrutamento preditivo permitiu-lhes atingir – base comparável – consultores que tenham sucesso (em média) para gerar 168 mil € cada um, para um total de margem para estes 42 novos consultores 7056 mil € no total.

Podemos, portanto, estimar em 42 x 21 mil € ou 882 mil € a economia com Recrutamento Preditivo para a Unicorn Company!

E o próximo case de sucesso pode ser da sua empresa!

Nós do Grupo Selpe pensando em todos esses benefícios que o recrutamento preditivo proporcionou em toda a Europa, nos tornamos parceiros da AssessFirst e formamos consultores licenciados para aplicá-la aqui no Brasil!

Quer conhecer mais sobre essa ferramenta e como ela pode ser usada na sua empresa? Entre em contato com a equipe especializada AssessFirst no Brasil!

Esse case sobre a economia com Recrutamento Preditivo é uma adaptação de um caso real da AssessFirst na França. Clique aqui se quiser conferir a matéria original.

Preencha o formulário para solicitar contato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *