Turnover: como a rotatividade de pessoal impacta em uma empresa

Turnover: como a rotatividade de pessoal impacta em uma empresa

Um dos indicadores mais acompanhados pelo RH chama-se turnover, usado para mensurar a rotatividade de pessoal. Com ele, é possível fazer constatações sobre o clima organizacional, eficácia da retenção, bem como de outros aspectos ligados à gestão de pessoas.

A realidade é que a rotatividade (seja ela alta ou baixa) possui impactos na empresa e no RH, os quais devem ser considerados na criação de novas estratégias. As questões que inevitavelmente decorrem são: como calcular o turnover? Como ele afeta negativamente a empresa? E mais, como reduzi-lo?

Pensando em tudo isso, criamos um guia para você. Hoje, vamos explicar como a rotatividade de pessoal influencia no sucesso do empreendimento e como alcançar resultados ainda melhores. Continue a leitura e fique por dentro do assunto!

turnover

Afinal, o que é e como calcular o turnover?

As ações de uma empesa precisam ser acompanhadas com a ajuda de bons indicadores de desempenho. Desse modo, é possível subsidiar as decisões diárias com informações reais e fazer escolhas mais assertivas. Nesse contexto, um dos mais importantes indicadores é o turnover.

Seu principal objetivo é medir a saída de pessoas do quadro de funcionários da empresa, o que permite efetuar análises mais profundas. Para encontrar o percentual de evasão, basta usar a seguinte fórmula:

Turnover = funcionários que saíram da empresa/total de funcionários no mesmo período x 100

É importante esclarecer que não há um resultado ideal, variando bastante de acordo com cada segmento de atuação e a própria política de retenção da empresa. Ainda assim, é comum encontrar artigos que indiquem que o índice deve ficar em torno de 5%.

Como a rotatividade de pessoal afeta a empresa?

A rotatividade é algo natural, há sempre funcionários saindo e entrando na empresa. Os motivos podem ser diversos, tais como: aposentadoria, melhor oferta da concorrência, mudança na direção da carreira e assim por diante. Então, qual é o problema?

O fato é que, quando há uma elevada evasão, a companhia de um modo geral começa a sofrer diversas perdas.

A mais evidente é a do próprio capital intelectual, ou melhor, do know-how (conhecimento aplicado) carregado por cada um dos funcionários. Nesse caso, é comum que alguns funcionários saiam e levem seus clientes consigo, para a concorrência.

Também é possível destacar os danos financeiros sofridos, afinal, o desligamento dos profissionais envolve uma série de custos.

Além da rescisão trabalhista (férias proporcionais, multas, 13º proporcional etc.), há a necessidade de investimentos financeiros no recrutamento e seleção, integração e treinamento de um novo contratado.

Veja, agora, outros problemas comuns:

  • influencia negativa no clima organizacional;
  • surgimento de conflitos e conversas paralelas;
  • perda de competitividade da empresa;
  • sobrecarga dos profissionais que ficaram.

Não por acaso, é cada vez maior o investimento das empresas na retenção dos seus profissionais talentosos — assunto que será abordado no próximo tópico. Desse modo, as organizações conseguem manter sua competitividade no mercado, bem como os clientes internos felizes e motivados.

Como combater o turnover nas empresas?

Agora que já conhece o conceito de turnover e quais os principais problemas relacionados, é hora de saber como combatê-lo.

Vamos apresentar uma série de ferramentas, por isso, avalie qual melhor se adéqua a seu contexto, orçamento disponível e modelo de negócio. Não as veja como um simples gasto, mas como um investimento estratégico capaz de otimizar os resultados empresariais.

1. Contrate pessoas com aderência à empresa

Em muitos processos de seleção, o foco está nos conhecimentos e habilidades de cada um dos profissionais. Mas é preciso ir além disso, também deve-se considerar os valores.

Esses valores são aspectos inegociáveis dos colaboradores, dos quais jamais abririam mão. Busque alguém com valores similares aos da empresa, assim as chances de permanecer por mais tempo serão ampliadas.

2. Invista no bem-estar interno

O ambiente de trabalho é um segundo lar, onde os funcionários passam a maior parte do seu dia. Então, por que não torná-lo agradável? Empresas que investem no assunto são até 76% mais atraentes para os profissionais. Isso, claro, influencia na retenção.

Para começar, faça uma pesquisa de satisfação interna e descubra do que seus funcionários realmente gostam. Depois, insira novos benefícios que tornem o clima de trabalho mais agradável, como horários mais flexíveis e móveis ergonômicos, por exemplo.

3. Facilite a comunicação interna

A comunicação tem um importante papel dentro da empresa, garantindo o alinhamento das equipes e a redução de erros operacionais. Sua falta, no entanto, abre espaço para fofocas, conflitos interpessoais e diversas falhas que poderiam ser facilmente evitadas.

Nesse aspecto, uma solução inteligente é a implementação de novos canais de comunicação. É possível destacar murais de recados, aplicativos mobile e sistemas especializados como alguns dos mais utilizados. A opção mais adequada pode variar de acordo com o perfil dos profissionais da empresa.

4. Incentive a liderança pelo exemplo

O fato é que muitas pessoas não pedem demissão da empresa, mas dos seus chefes. Muitos chefes ainda não se tornaram verdadeiros líderes, capazes de inspirar e engajar grandes resultados. O motivo é simples: não são o exemplo no dia a dia.

Liderar pelo exemplo significa ser o que deseja ver nos profissionais, ou melhor, também colocar a “mão na massa”, abraçar os valores da companhia e entregar resultados. Lideres exemplares sabem ouvir e falar, cumprem horários, bem como organizam suas tarefas diárias.

5. Recompense pelos resultados

A falta de reconhecimento é um grande problema, especialmente quando falamos na retenção de talentos. Quando um profissional não é reconhecido, sente-se sem perspectiva de crescimento, motivação e, em algum momento, sem interesse em continuar na empresa.

Por isso, crie programas que beneficiem os profissionais que mais entregam resultados, como premiações pela performance, salários variáveis e um plano de carreira. Assim, todos entenderão que podem crescer, de acordo com o tempo de “casa” e resultados entregues.

6. Use ferramentas de assessment

O termo “assessment “vem do inglês e significa avaliação, ou melhor, o diagnóstico das causas pelas quais os resultados desejados não estão sendo alcançados. Ao utilizar essa ferramenta, é possível agir entender as motivações da equipe.

Nesse sentido, uma ótima dica é dar início a entrevistas demissionais, avaliações de satisfação interna ou de clima organizacional.

Busque identificar se os atuais profissionais estão felizes com seus líderes, salários, benefícios etc. Dessa maneira, será possível descobrir formas de estimular a motivação e, por consequência, reter talentos.

Veja, agora você está por dentro do assunto! Calcule o atual turnover em sua empesa, depois defina metas de redução que sejam inteligentes e realistas.

Para contribuir na modificação do status quo, aplique as dicas citadas neste post e continue monitorando os resultados, realizando ajustes ao longo do caminho, caso sejam necessários.

Gostou do conteúdo? Está pronto para reduzir a rotatividade de pessoal? Agora, que tal aproveitar para curtir nossa página no LinkedIn e ficar sempre por dentro das nossas novidades?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *