Como cada geração aprende, se motiva e engaja no trabalho?

Como cada geração aprende, se motiva e engaja no trabalho?

como-cada-geracao-aprende

O futuro é um pouco assustador? Não pense assim. Cada geração nasce e cresce habituada a diferentes cenários tecnológicos, econômicos e políticos. Isso quer dizer que os hábitos, comportamentos e características de cada grupo são diferentes, e isso impacta também nas experiências profissionais.

Atualmente, especialistas sugerem que uma nova geração surge a cada 10 anos. Nas empresas, isso significa ter pessoas de várias idades e costumes trabalhando juntas num mesmo ambiente de trabalho, gerenciando conflitos e realizando tarefas.

Geração Baby Boom

Essa geração surgiu logo após a Segunda Guerra Mundial e a característica mais forte é o gosto por um emprego fixo e estável. São aqueles que preferem ser reconhecidos por experiências passadas, no tempo de serviço. Outro atributo marcante é a aversão por violência e conflitos armados. Buscam a música e artes como forma de evolução do ser humano, é a geração paz e amor.

Hoje em dia as pessoas desse grupo ocupam a diretoria ou gestão de empresas, o que geralmente causa conflitos na parte estratégica com as gerações mais jovens. Os baby boomers consideram o trabalho sua principal prioridade, tem dificuldade de lidar com perda de status e poder pois são competitivos e focados em resultados. Eles pensam que a liderança é sobre comando e controle e as novidades tecnológicas são obstáculos.

Geração X

Filhos dos baby boomers, a geração X é marcada pelo questionamento. Surge do fim da década de 60 e fez parte de movimentos sociais de igualdade, então cresceram defensores dos próprios direitos vivendo movimentos como Diretas Já e o fim da ditadura.

No meio profissional, eles são caracterizados por certas resistências em relação a tudo que é novo, além de apresentar insegurança em perder o emprego por pessoas mais novas e com mais energia. Valorizam cargos e salários, passam a ter um maior foco na formação universitária e no estabelecimento de uma carreira. Também foi na geração X que as mulheres começaram a ocupar o mercado de trabalho.

As pessoas deste grupo são experientes, dedicadas e muito comprometidas com os objetivos da empresa. Costumam valorizar competências quando assumem a liderança e conseguem equilibrar a vida pessoal e profissional, o que não era comum na geração dos seus pais. Como cresceram com a tecnologia, lidam bem com ela.

Geração Y

Chegamos então à década de 80 e à geração Y. Como foram os primeiros a usar a internet, esse grupo tem como característica constante busca por conhecimento e aprendizagem. São ansiosos, ambiciosos e desejam novas experiências, por isso querem subir de cargo rápido, apesar de não valorizar muito a hierarquia e preferir trabalhos em equipe.

A geração Y também cresceu multitarefas, conseguem ouvir música, navegar na internet entre várias outras coisas que, em tese, não atrapalham os afazeres profissionais. No ambiente de trabalho, podem entrar em conflito com a geração X, pois são mais inovadores e preferem o movimento, enquanto os filhos dos baby boomers gostam de equilíbrio e tranquilidade. Por isso, a maioria das pessoas na geração X tem dificuldades de obedecerem aos comandos da geração Y, pois consideram os mais velhos com mais moral para tomar decisões.

No ambiente de trabalho são mais flexíveis, plurais e com maior foco em projetos do que na construção de uma carreira sólida. Tem autoestima elevada e são comprometidos com seus valores. Gostam de desafios, querem fazer tudo à sua maneira e não tem medo de enfrentar seus chefes e líderes.

Para gerenciar a geração Y, um ponto chave é a coerência. Eles vão te cobrar por atitudes alinhadas que estão de acordo com o que a visão e valores da empresa promovem. Valorize o potencial criativo dessa geração promovendo decisões em equipe e respeite o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal, pois isso ajuda a promover a lealdade dos seus colaboradores.

Millennials

De todas, é a geração mais silenciosa. Nasceram a partir da metade da década de 90 e como vivem uma realidade conectada à internet 24 horas, não valorizam tanto os valores familiares e contato pessoal, pois na forma virtual é mais prático e instantâneo.

A característica mais marcante da geração world wide web é o desapego das fronteiras geográficas. Como nasceram em um mundo globalizado, o céu é o limite para esse grupo. Estão concentrados em se adaptar aos novos tempos, ao contrário das gerações anteriores.

Entrando no mercado de trabalho agora, o grande problema dos millennials é a integração social. Por estarem sempre conectados, lhes falta intimidade e comunicação verbal, além da falta de capacidade de ouvir. Eles apresentam um perfil imediatista, e geralmente não tem paciência com os mais velhos, o que no mercado de trabalho pode refletir em dificuldades de trabalhar em equipe.

Essa geração procura empresas que priorizam os funcionários e são abertas a comunicação. Também não se impressionam com tamanho, idade ou popularidade da empresa, pois para os eles o sucesso é medido além do desempenho financeiro. O que faz diferença é uma gestão colaborativa e horizontal, que priorize transparência e floresça o senso de propósito.

Para manter os Millennials por perto – e acredite, você vai querer – reconheça quando o trabalho for bem feito e ofereça feedbacks, mesmo que negativos, porque isso é um grande fator de engajamento. Eles precisam ser constantemente incentivados e estar por dentro de todas as informações necessárias. Para eles, a informação não é mais questão status, e sim precisa ser compartilhada para total colaboração dos envolvidos.

Quando o assunto é carreira, estudos formais e sucesso, esse grupo, também conhecido como geração Z, é bastante desconfiado. A grande maioria não pensa em fazer uma só coisa para o resto da vida ou trabalhar em uma única empresa. É a geração das startups, trabalhos informais e empresas liberais.

Como gerenciar os conflitos?

Primeiramente, é necessário entender os diferentes estilos de trabalho de cada geração. Os Baby Boomers por exemplo preferem ter mais liberdade de trabalhar, já a geração Y gosta de receber instruções específicas.

Se precisar de uma solução criativa, procure os Millennials ou a geração Y. Um bom tutor você encontrará na geração baby boom. É necessário valorizar o melhor de cada geração, e incentivar a tarefa que eles desempenham melhor.

E, apesar de os mais velhos terem mais espírito de equipe que os mais novos e por vezes não respeitar a informalidade da geração atual, é necessário estimular o aprendizado entre todos eles. Não é à toa que dizem que os mais velhos são os mais sábios, a geração X a mais leal e, claro, as gerações Y e Millennials mais antenadas nas mudanças do mercado atual.

Gostaram do artigo? Aqui no Grupo Selpe, decidimos por fazer um processo seletivo diferenciado, inteligente, ágil e preditivo. Se quiser conferir mais conteúdos como esse, é só nos acompanhar no Facebook e no LinkedIn!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *