As diferenças entre treinamento e desenvolvimento organizacional

As diferenças entre treinamento e desenvolvimento organizacional

O treinamento e o desenvolvimento organizacional são práticas cruciais para manter os funcionários aptos e para otimizar os resultados de um negócio. Contudo, por diversas vezes, o assunto ainda é negligenciado dentro das empresas.

Segundo pesquisa da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD), as companhias brasileiras investem em apenas 22 horas de capacitação ao ano por funcionário, número 38% inferior aos Estados Unidos. O baixo investimento pode significar pouca produtividade, excesso de erros operacionais e até insatisfação dos clientes finais.

Pensando em tudo isso, criamos este artigo para você. Hoje, vamos explicar o que é treinamento e desenvolvimento organizacional, seus principais passos e benefícios para a empresa e seus stakeholders. Continue lendo e fique por dentro!

O que é treinamento organizacional

Treinar é qualificar uma pessoa para desempenhar uma função específica, como o cargo de auxiliar administrativo ou gerente financeiro. Para tanto, busca-se inserir certos conhecimentos e habilidades no colaborador, sempre com foco na função.

Para que isso fique mais claro, imagine que você contratou um auxiliar financeiro. Seu treinamento poderá ser focado no uso do Excel, determinado software de gestão usado na empresa, e análise vertical e horizontal da Demonstração de Resultados do Exercício (DRE), por exemplo.  Assim, ele estará capacitado para desempenhar suas atividades diárias.

Existem diversas táticas de treinamento que podem ser usadas, como universidades corporativas ou workshops. Ainda é muito comum o treinamento one to one, onde alguém que está começando na função é monitorado e instruído diretamente por um profissional mais experiente.

O número de treinamentos é muito maior quando se está entrando na empresa ou, ainda, quando se é realocado para uma nova função. Mas que fique claro, mesmo os profissionais seniores, com anos e anos de trabalho, precisam ser treinados e atualizados em suas funções.

O que é desenvolvimento organizacional

O dicionário relaciona o desenvolvimento com o “progresso” ou o “crescimento”, e é exatamente isso que acontece dentro das empresas.

O desenvolvimento não possui foco na função, mas no futuro e no funcionário. O objetivo é torná-lo mais completo e preparado, seja para assumir uma posição de liderança ou enfrentar uma adversidade.

Agora imagine o mesmo profissional do primeiro exemplo, o auxiliar financeiro. É possível implementar programas de desenvolvimento relacionados ao aprimoramento da sua comunicação, habilidades de liderança e finanças pessoais, entre outras.

O desenvolvimento pode acontecer por meio de programas presenciais ou à distância. É cada vez mais comum o uso de jogos empresariais (gamification) para desenvolver certas competências de forma mais descontraída, geralmente em equipe. Também é comum o uso de consultores especializados, com bastante know-how em determinada área.

O número de programas de desenvolvimento não deve variar pelo tempo do funcionário dentro da empresa. Todos os colaboradores devem ser aprimorados continuamente. Desse modo, se sentirão valorizados e capazes de entregar resultados cada vez melhores.

Vantagens de manter os profissionais competentes

O fato é que treinar e desenvolver são fatores importantes, e devem acontecer de forma equilibrada.

É preciso preparar o funcionário para seu atual cargo, mas também desenvolvê-lo para possíveis adversidades no futuro. Ao fazer isso, uma série de benefícios poderão ser vistos, para os profissionais e a empresa em geral. Confira:

Desenvolvimento de líderes de sucesso

Encontrar bons líderes não é uma tarefa fácil. Muitos talentos, especialmente das áreas técnica e científica, migram para fora do Brasil. Por isso, desenvolvê-los internamente, aproveitando as pessoas que já fazem parte do quadro de funcionários, é uma grande oportunidade.

Bons líderes contribuem para apontar o caminho certo, direcionando outras pessoas rumo aos objetivos desejados. Também contribuem na resolução de conflitos internos, construção de vínculos duradouros e diferenciação da companhia no mercado. Bons programas de desenvolvimento contribuem para lapidar líderes de sucesso.

Aumento da produtividade

Uma pesquisa divulgada pela revista Exame afirma que apenas 39% do expediente de trabalho é realmente produtivo, número muito abaixo do ideal. Isso significa que grande parte do tempo dentro da empresa é perdido, seja pela falta de comprometimento ou de profissionais realmente qualificados para desempenhar suas tarefas.

A capacitação dos colaboradores faz com que eles tenham habilidades para fazer mais com menos, e em menor tempo. Como desempenham as tarefas diárias com maior eficiência, eliminam o número de erros e retrabalho, o que afeta positivamente a produtividade.

Retenção de profissionais talentosos

Outro grande benefício do desenvolvimento é a retenção de profissionais talentosos, ou melhor, daqueles que entregam mais resultados. Eles são geralmente cobiçados pela concorrência, e até recebem propostas para mudar de empresa. Então, é preciso saber como retê-los.

Boas capacitações contribuem para criar um vínculo mais forte com os trabalhadores, demonstrando que a empresa valoriza e investe em sua mão de obra. Assim, permanecem por muito mais tempo no quadro de funcionários. Algumas companhias, inclusive, investem em palestras motivacionais, usando o endomarketing para fortalecer os laços.

Principais etapas em um programa de capacitação

Agora, que você já entende a diferença entre o treinamento e o desenvolvimento, é preciso compreender alguns dos passos mais importantes para criar boas capacitações.

Nesse processo, é necessário definir desde as competências que precisam ser supridas até os objetivos que devem ser alcançados. Entenda melhor:

  • avalie se há a necessidade de capacitação, e em quê especificamente;

  • garanta que os profissionais tenham motivação e interesse em participar;

  • defina os objetivos que devem ser alcançados (melhor uso dos horários, melhor atendimento aos clientes, maior produtividade etc.);

  • estabeleça os indicadores (KPIs) que serão usados, como o ROI, por exemplo;

  • defina o modal da qualificação;

  • avalie os resultados finais, buscando entender o que pode ser melhorado.

Como já mencionado, existem diversos processos que podem ser utilizados (in company, out company, gamificação e à distância, entre outros). Então, para definir o melhor, é preciso conhecer profundamente seu público interno, bem como a cultura e orçamento do empreendimento.

Agora você é um expert no assunto! Então, invista no treinamento e desenvolvimento organizacional, garantindo que seus profissionais tenham as competências mínimas para realizar as tarefas diárias com maestria e enfrentar as adversidades com eficácia. No final, toda a organização, nos seus diversos níveis e áreas, será beneficiada.

Gostou do conteúdo? Então, compartilhe-o nas suas redes sociais, para que outras pessoas fiquem por dentro do tema!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *