Como acompanhar a evolução do RH nas empresas?

Como acompanhar a evolução do RH nas empresas?

A forma de gerenciar os diversos recursos e competências organizacionais mudou muito nas últimas décadas. Hoje, uma série de novos métodos e tecnologias surgiram. Nesse contexto, a evolução do RH é bastante representativa — passou de um setor estritamente burocrático para outro com visão estratégica, presença digital e contribuição significativa para o sucesso empresarial.

Porém, é preciso entender como essa evolução ocorreu e como é possível acompanhá-la.

como-acompanhar-a-evolucao-do-rh-nas-empresas

 

Pensando nisso, elaboramos um guia para você. Nele, você entenderá com maior clareza a evolução do RH, os fatores determinantes para que isso acontecesse e o que deve-se fazer para se adaptar. Continue e fique por dentro do assunto!

O surgimento do Departamento Pessoal

A correta gestão do capital humano é, sem dúvida, um fator estratégico. De acordo com a Harvard Business, empresas que investem em boas práticas de RH possuem desempenho, em média, 51% superior no mercado — um ótimo resultado.

Todavia, é preciso entender como o RH deixou de ser um setor apenas burocrático. Inicia-se a discussão sobre recursos humanos na primeira revolução industrial, período em que surgem as máquinas a vapor e a demanda por trabalho em maior escala. Logo, precisava-se de mais gente para se trabalhar.

Nesse momento, o homem era visto como mais uma ferramenta para produzir bens baratos e otimizar o potencial industrial. O problema seguiu, também, durante a segunda revolução industrial. Nesse momento, no entanto, era possível se falar em uma relação empregado-empregador mais justa e digna.

Assim surgiu o DP (Departamento Pessoal), responsável por cuidar da relação empregatícia, realizar cálculos trabalhistas, pagar os empregados e garantir que tudo acontecesse dentro dos conformes. Sua função era estritamente burocrática.

A ascensão do RH estratégico e digital

O “problema” é que o mercado continuou mudando e surgiu a terceira revolução industrial, marcada pela globalização e advento da internet, momento em que os clientes finais ficaram mais exigentes. As empresas precisaram focar seus esforços para satisfazer de maneira mais completa seus clientes.

Para tanto, necessitavam de colaboradores mais comprometidos, alinhados e engajados. Nesse instante, a gestão estratégica de pessoas começou a ganhar forma. Agora, o intuito era atrair, desenvolver, motivar e reter gente talentosa.

Hoje, no entanto, tem-se a quarta revolução industrial, também chamada de era da inteligência. A conversão entre o mundo real e o digital nunca foi tão grande, assim como o surgimento de tecnologias exponenciais. Agora, é possível falar em inteligência artificial, chatbots, realidade virtual aumentada, etc.

Como resposta, o RH tornou-se digital — convenientemente chamado de RH 3.0. É possível construir marcas empregadoras na internet, usar dados para fazer analises preditivas, realizar entrevistas e testes à distância. Segundo a Deloitte, 56% das empresas estão redesenhando o RH para aproveitar ferramentas digitais.

Acompanhando a evolução do RH

Nesse contexto, marcado por mudanças internas e externas às organizações, é indispensável se manter atualizado. Empresas ou setores de RH obsoletos caminham irrefutavelmente para o insucesso. Veja as dicas!

1. Preocupe-se com a atração e retenção de talentos

Acreditar que atrair e reter talentos é algo necessário apenas às grandes empresas ou setores específicos do mercado é um grande equívoco. Toda organização deve encontrar, contratar e “segurar” gente talentosa no quadro de colaboradores.

Para tanto, é preciso investir intensamente no processo de recrutamento e seleção. Além de utilizar ferramentais digitais — como redes sociais, páginas de emprego, softwares, etc. —, necessita-se contar com a ajuda de uma empresa especializada.

2. Empregue ações de marketing interno

O conceito de endomarketing (marketing com foco no funcionário) originou-se com Saul Bekin, um brasileiro que atuava na média gerência da Johnson & Johnson. Desde então, é usado para manter os funcionários felizes e motivados.

Em sua empresa, estabeleça campanhas de endomarketing no intuito de melhorar a comunicação interna, o engajamento em torno de determinados resultados e a disseminação dos valores organizacionais. Logo, ótimos resultados serão obtidos.

3. Invista em ferramentas digitais

Como já observado, é cada vez maior a inserção de soluções digitais na gestão do capital humano. Por causa disso, é preciso modernizar a sua organização, implementando ferramentas digitais que otimizem as práticas de RH.

Uma das mais importantes é o sistema de análise preditiva, que permite realizar diagnósticos dos funcionários que pretendem fazer parte do time de trabalho, avaliando se serão produtivos ou confiáveis dentro da organização.

4. Use dados para a tomada de decisões

A correta tomada de decisões é essencial não somente ao RH, mas para todos os setores da empresa. Para tanto, é necessário saber coletar dados adequados e verídicos, estruturá-los e analisá-los para que gerem vantagem competitiva.

Nesse caso, é importante investir em ferramentas de análise de dados para recrutar, desenvolver e engajar os talentos da empresa. Com base em informações concretas, é possível fazer escolhas com maior diligência e eficácia.

5. Busque sempre um melhor desempenho

Por fim, é preciso se preocupar em melhorar continuamente — isto é, atingir melhores resultados com os mesmos recursos. Um setor de RH com desempenho elevado beneficia os profissionais, áreas operantes, a imagem da empresa, entre outros segmentos.

No entanto, para que isso aconteça, é preciso acompanhar as métricas e indicadores-chave de desempenho, bem como definir metas desafiadoras para o futuro. Logo, será possível aprimorar continuamente as práticas de RH.

Os benefícios da transição estratégica e digital

Já entendida a evolução do RH ao longo das últimas décadas e como é possível se manter na vanguarda ao acompanhar as transições desse setor, é o momento de compreender seus benefícios. Como, de fato, um RH moderno favorece a empresa?

A verdade é que são muitas as vantagens. É possível falar, por exemplo, em um melhor desempenho organizacional — fruto de profissionais mais motivados e comprometidos. Ou, ainda, na maior satisfação dos clientes finais, pois serão atendidos por trabalhadores felizes e engajados.

Os benefícios da evolução do RH, transformando-o em estratégico e digital, são de ordem financeira, mercadológica, produtiva e humana. Logo, além de otimizar as práticas de gestão de pessoas, possibilita a construção de um negócio longevo, próspero e atraente para novos investidores.

Veja, agora você está por dentro do assunto! A evolução do RH é proveniente, especialmente, de demandas externas. Quando o mercado muda, também é preciso mudar a organização, a concepção da gestão de pessoas dentro das empresas.

Gostou do conteúdo? Compreendeu a evolução do RH? Aproveite para continuar aprendendo: leia nosso artigo “Tendências de RH para 2018”. Boa leitura!

Preencha o formulário para solicitar contato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *